quarta-feira, maio 10, 2006

Ms. Independent



Ms. - [noun] a form of address for a woman, the only form that does not depend on her marital status
- "The adoption of the alternative title Ms was intended to announce "my marital status is of no interest or importance to anyone save myself". The fact that there is a hint of "and don't mess with me, buster," adds a fillip of pleasure for women confident enough to use it." - The Guardian

Independent - [adjective] free from external control and constraint; not dependent on or conditioned by or relative to anything else

Foi isto que eu tatuei.
E para que não restem dúvidas... Não! "Ms." não quer dizer "Miss" como "Miss simpatia" ou "Miss t-shirt molhada" ou algo do género. "Ms." foi um termo adoptado pelas femininistas americanas e inglesas no final dos anos 70 e inico dos 80, quando começaram a querer ser vistas por algo mais do que "a mulher do fulano tal" e como uma forma de luta contra a discriminação e opressão baseadas no facto de serem casadas ou não.
Enquanto mulher, jovem e solteira, sinto que "Ms." denota independência, força de carácter e iniciativa. "Miss" tem uma conotação com vulnerabilidade e um certo "sexual appeal", qualidades que a maior parte dos homens tem dificuldade em respeitar e levar a sério, enquanto que "Mrs." denuncia dependência e a ideia de que independentemente da competência profissional e de tudo o que uma mulher possa obter, nunca deixará de ser a "mulher de fulano tal".

Independente porque sim. Não me refiro a independência financeira (disso estou bem longe), muito menos a independência emocional (e isso nem quero!). Sou, de uma forma marcada, muito dependente da minha familia, dos sorrisos de cada um dos que dela fazem parte, e de algumas pessoas, que não sendo familia, são muito especiais. Quando falo de independência talvez seja algo utópico, talvez seja um caminho, talvez seja um objectivo. Ser independente de maldade, rancor, inveja, de uma existência fútil e de uma felicidade exclusivamente material... Enfim, independência de tudo o que me torna uma pessoa menos boa.
Meanings á parte... doeu muito!!! Tanto que quando dei por mim estava com duas tatuagens, uma verdadeira nas costelas e outra no braço, que "tatuei" com os meus dentes para não gritar de dor... Entre morder no meu próprio braço e apertar com força um lenço, cheguei a dizer ao senhor que me tatuou que ia odiá-lo para o resto da vida. Um santo é o que ele é, um santo... Ou se não é, pelo menos tem paciência de um.

1 comentário:

MN disse...

Adoro as mulheres do Séc. XXI:)