sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Conversa de miúdas

-"... É que, como se não bastasse, ela tem uma voz maravilhosa. Aposto que deve ser linda, boazuda e com um bocado de sorte ainda é riquissima. É mais que óbvio que, quando ele escolhe outra pessoa, ela tem de ser o máximo."

(O facto de não fazermos ideia de quem seja ela (a que atendeu o telemóvel dele)
não muda nada.)


- "Mas porquê? Na volta nem é. Se calhar é uma miúda completamente normal como nós."

Hiiiiii... Só porque uma lambisgóia qualquer atendeu o telemóvel dele, nós já temos que ser normais?? Só porque ele achou que nós não somos suficientemente boas, isso torna-nos normais??


- "Aliás, nós não somos normais, pá! Olha ao que isto já chegou. Ele é que é parvo e não sabe dar valor."

- "Se calhar sabe. Por isso é que a escolheu."

- "Achas que sim? Escolheu porque é parvo. Ponto. Mesmo que estejamos longe de ser misses, sei lá, também temos coisas boas. Tipo... Tipo..."

- "Tipo quê?"

- "Tipo... Não somos feias de fugir. Somos simpáticas. E espertas. Sabemos de cor os critérios de Ranson e coisas super importantes como o Plano Nacional de Vacinação. E pronto, eu não sei cozinhar, mas tu sabes."

- "Não interessa nada disso, se ela for mas gira e mais bem feita de que é que serve isso?"

- "Sei lá, há-de servir para alguma coisa."

E mesmo que eu não to diga, tens razão querida, quase tão mau como saber que há alguém que pode atender o telemóvel dele é pensar que ela pode ser mais gira, mais bem feita e mais inteligente que nós.


Sim, isso faz parte da (nossa - minha e tua) natureza feminina, não há nada a fazer. E não, nunca ninguém nos vai ensinar a lidar com isso.

E é por estas e por outras (principalmente pelas outras) que o mais importante é ser um todo...

5 comentários:

Duarte disse...

Escolheu porque... mais cedo ou mais tarde tinha de escolher talvez... quando escolheu decidiu-se por valores os quais desejava viver, sentir... não que não os pudesse viver e sentir com ela mas talvez ela não lhe deu a devida e derradeira oportunidade de serem felizes... e ainda que se esqueça o que aquece realmente a alma, ignorando-o... ele escolheu... como viver e sentir o caminho, ainda que nem sempre seja o mais fácil... mas fácil também nunca foi e nem será com ninguem... *DU

Shara disse...

Sim, sem duvida Du. Escolheu porque tinha de o fazer. O que importa aprender é que, independentemente do que tem de ser feito e é feito, nós somos as mesmas. E não é porque alguém escolhe (porque tem de o fazer ou porque o sente) que passamos a ser piores ou menos merecedoras do que a eventual escolhida. Mas pronto, isto é girl'z talk, é estrogénio a mais para um homem entender :P Beijinhuz

Mimas disse...

Olá Shara. Estava no Superglamorosas e cliquei num link que veio aqui parar.

Creio não ser tarde para agradecer o post que fizeste à Cláudia, um obrigada atrasado mas muito sentido, gostei do que escreveste.

E passado quase um ano nós lá continuamos, para apoiar quem precisa e no fundo para procurar apoio...

Aparece...

Obrigada mais uma vez,
Mimas

Ah, e venhas ou não a ser pediatra, vê-se que és um óptimo ser humano...não é o que todos procuramos lá no fundinho dos olhos de um médico?...

JCR disse...

Desculpa a ousadia mas não resisti a colocar um link no meu blog em início.
http://jmcreis.blogspot.com
Espero, colega, que não te importes.
Jorge

Maria disse...

pode ser isso tudo...ou não ser nada disso...mas não é por ela ser ou não ser que não deixamos de ser nós, únicas e especiais...porque diferentes :) se escolheu, quem perde é ele...paciência :)